Início Instituição Equipa Consultas Localização Minha Cirurgia Reuniões Científicas Media Links FAQS
 Início Media

- 2005 – 3 notícias

- 2004 – 4 notícias

- 2003 – 2 notícias

- 2002 – 1 notícias

- 2000 – 13 notícias

- 1999 – 8 notícias

- 1998 – 15 notícias

- 1997 – 15 notícias

- 1995 – 2 notícias

- 1994 – 2 notícias

- 1993 – 1 notícias

- 1992 – 13 notícias

- 1990 – 3 notícias

- 1989 – 4 notícias

- 1988 – 2 notícias

- 1987 – 1 notícias

- 1986 – 2 notícias

Jornal 24 HORAS, 24 Outubro 1997
Cirurgia pioneira, tetraplégicos de “mãos livres”. Com a nova técnica, os pacientes vão poder pegar no telefone, no talher ou mesmo digitar o teclado de um computador. Uma nova linha de tratamento já está em estudo. A nova técnica poderá ser aplicada a paraplégicos no sentido da marcha. As investigações prosseguem sem prazo marcado (Paula Carmo).

Jornal DIÁRIO DE AVEIRO, 27 Outubro 1997
Esperança para tetraplégicos. Médico aveirense realiza operação inédita. Milagre da medicina restitui movimentos a tetraplégicos. Nos HUC, uma equipa chefiada pelo microcirurgião aveirense Abel Nascimento, vai implantar num jovem de 22 anos, paralisado devido a acidente de viação, um revolucionário sistema que lhe permitirá recuperar o movimento da mão e executar tarefas básicas como comer, beber, pegar num telefone, pentear-se e trabalhar num computador. Trata-se de uma intervenção cirúrgica pioneira em Portugal e é mais um “milagre” da ciência médica, com recurso à alta tecnologia.

Jornal DIÁRIO de COIMBRA, 27 Outubro 1997
Operação pioneira hoje nos HUC. “Milagre” da medicina restitui movimentos a tetraplégicos. Uma equipa chefiada pelo microcirurgião Abel Nascimento, vai implantar num jovem de 22 anos, paralisado devido a acidente de viação, um revolucionário sistema que lhe permitirá recuperar o movimento da mão e executar tarefas básicas como comer, beber, pegar num telefone, pentear-se e trabalhar num computador. Trata-se de uma intervenção cirúrgica pioneira em Portugal e é mais um “milagre” da ciência médica, com recurso à alta tecnologia.

Jornal DIÁRIO as BEIRAS, 27 Outubro 1997
Sistema inovador na Europa vai ser aplicado em Coimbra. Cirurgia pioneira nos HUC “dá mãos” a tetraplégicos. Uma complexa cirurgia realiza-se hoje nos HUC. Trata-se de uma intervenção pioneira, ainda a começar na Europa, que dá aos tetraplégicos a possibilidade de passarem a movimentar as mãos. É a primeira vez que é feita em Portugal e decorrerá sob a responsabilidade de Abel Nascimento, um médico de Coimbra, especialista em Cirurgia da Mão e Microcirurgia (Dora Loureiro).

Jornal DIÁRIO de NOTÍCIAS, 27 Outubro 1997
Tetraplégicos de “mãos livres”. Com a nova técnica, os pacientes vão poder pegar no telefone, no talher ou mesmo digitar o teclado de um computador. Abel Nascimento aplica hoje em Coimbra, pela primeira vez, novo método cirúrgico desenvolvido nos EUA. A programação do “software” está contida numa pequena caixa que o doente leva na cadeira de rodas. Uma nova linha de tratamento está já em estudo. A nova técnica poderá ser aplicada a paraplégicos no sentido da marcha. As investigações prosseguem sem prazo marcado. “Esta linha de investigação poderá ter um futuro promissor.” (Paula Carmo).

JORNAL DE NOTÍCIAS, 28 Outubro 1997
Mão livre devolve a tetraplégico faculdade de ser auto-suficiente. Equipa dos HUC pioneira na implantação de sistema. Um jovem de 22 anos, paralisado por um acidente de viação, vai poder, dentro de meses, graças a uma equipa internacional chefiada pelo microcirurgião Abel Nascimento, executar tarefas básicas, como comer, cuidar dos seus hábitos de higiene e manusear objectos. Uma intervenção cirúrgica pioneira em Portugal efectuada nos Hospitais da Universidade (João Bravo).

Jornal CORREIO da MANHÃ, 28 Outubro 1997
Operação em Coimbra dá esperança a deficiente. O “sistema mãos livres” ajuda os tetraplégicos a segurar objectos e foi implantado ontem, pela primeira vez no nosso país, a um jovem de 24 anos, nos Hospitais da Universidade de Coimbra.

Jornal A CAPITAL, 28 Outubro 1997
Intervenção cirúrgica pioneira em Coimbra dá nova esperança a jovem de 22 anos. Jovem tetraplégico vai mexer a mão direita. Êxitos da cirurgia médica em Coimbra e na Inglaterra – tetraplégico mexe e mudo fala (Noémia Malva Novais).

Jornal O COMÉRCIO DO PORTO, 28 Outubro 1997
Nos Hospitais da Universidade de Coimbra operação inédita restitui a esperança aos tetraplégicos.

Jornal DIÁRIO de COIMBRA, 28 Outubro 1997
HUC abrem esperanças a tetraplégicos – Operação pioneira coroada de êxito. Implante cirúrgico correu bem. Aos 19 anos sofreu um acidente de viação e ficou tetraplégico, ou seja, completamente dependente, incapaz de qualquer movimento. Tem hoje 23 anos e, daqui por diante, uma nova vida pela frente, graças aos avanços da medicina. E mais uma vez com assinatura dos HUC.

Jornal DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 28 Outubro 1997
Cirurgia pioneira “Mãos livres” foi um sucesso. Os HUC voltaram ontem ao topo da ciência médica portuguesa. Uma técnica inovadora dá mais qualidade de vida a tetraplégicos ao possibilitar alguns movimentos. Operação a tetraplégico durou cerca de nove horas. “Satisfeito mas com precaução” dizia o professor Abel Nascimento após a intervenção a que ontem submeteu nos HUC um tetraplégico vítima de acidente de viação, que estava há dois anos impossibilitado de se mexer do pescoço para baixo (Paula Carmo).

Jornal PÚBLICO, 28 Outubro 1997
Intervenção bem sucedida em Coimbra. Operação dá maior autonomia a tetraplégico. O jovem ontem operado vai poder, se tiver força de vontade, ganhar alguma autonomia funcional. Escrever, digitar um teclado ou pentear-se passarão a ser gestos rotineiros na sua vida depois da intervenção cirúrgica de oito horas a que submeteu (Carlos Picassinos).

Jornal EXPRESSO, 1 Novembro 1997
Operação inédita. Um jovem tetraplégico vai poder movimentar um braço para executar tarefas como comer, pentear-se ou digitar um teclado. O milagre deve-se a uma intervenção cirúrgica dirigida por Abel Nascimento, nos HUC, durante a qual foram introduzidos eléctrodos no braço do paciente.

Jornal DIÁRIO as BEIRAS, 1 Novembro 1997
Abel Nascimento – o cirurgião dos HUC, que esteve ligado a várias intervenções pioneiras no domínio da microcirurgia, foi um dos primeiros em todo o mundo a aplicar um sistema espantoso que permite alguns movimentos de braços e mãos a pessoas para quem, nesse domínio e até agora, nem sonhar era possível.

Jornal DIÁRIO DO MINHO, 18 Novembro 1997
O operador de tetraplégicos. Numa sociedade consumista e produtora de pseudo-estrelatos e de glória efémera como a nossa, em que facilmente se atribuem títulos, medalhas ou as mais variadas condecorações, apresento um homem que é realmente verdadeira estrela. Mas que nem por isso deixa de vibrar por fazer as operações complicadíssimas e demoradas, de dizer com a sinceridade e a ingenuidade de criança que não quer ser rico, e de confessar humildemente que já foi alvo de partidas-pirraças malévolas de outros não tão humanos como ele. Este é o professor que fez no nosso país a primeira operação a tetraplégicos, para recuperação efectiva do movimento das mãos. A reportagem, em vários telejornais, não deixou a população indiferente, e as pessoas, com júbilo e com estupefacção, conversavam sobre os tecidos que viram do braço, sobre os cateteres que foram introduzidos para que as mãos pudessem funcionar (como por exemplo sobre um teclado de computador), e sobre as explicações do médico operador. Só que pouca gente saberá que o Professor Abel Nascimento é um autêntico artista em unir peças mutiladas do organismo humano, criando um todo harmonioso. (…) É com prazer e gozo que ele fala da união e do imenso trabalho que lhe dão os seus “bordados”, transformando braços partidos que jamais soldariam sem a sua intervenção em braços normais, dedos amputados em dedos funcionais e mãos paralisadas em mãos activas, em cirurgias que se prolongam por um dia inteiro ou pela noite dentro até ao resplandecer da estrela d’alva. É com admiração e respeito que o oiço explicar, entusiasmadíssimo, a elaboração dos seus puzzles e dos seus jogos de xadrez com xeque-mate, que são as suas operações. Dá gosto escutar um homem de atributos tão inconfundíveis, que fala da sua profissão com autêntica adoração e com extrema simplicidade. (…) ao operador que se doutorou em Paris é necessário e urgente prestar-lhe homenagem, mostrar-lhe o apreço, o enaltecimento e o júbilo que temos pelo seu trabalho. (…) (Maria Manuela Gama).